Blog do Juca Kfouri

Grêmio ganha do Fla e o Corinthians comemora

Juca Kfouri

Os primeiros 20 minutos no Ninho do Urubu foram duros.

Duros de ver.

Para quem esperava bom jogo entre os times técnicos do Flamengo e do Grêmio a decepção era grande.

Foram 20 passes errados, um por minuto e se não soubesse o nome dos goleiros por dever de ofício, seguiria sem saber, porque o primeiro chute a gol de verdade foi contra Thiago, do Flamengo, já aos 21.

Léo, do Grêmio, também não tinha trabalho.


Mas Luan trabalhava e, aos 25, entrou com a bola dominada entre dois  rubro-negros e finalizou seco, no canto, para abrir o placar e devolver a vice-liderança aos gaúchos: 1 a 0.

Aos 30, enfim, Léo defendeu um chute frontal de Éverton Ribeiro, que poderia ter caprichado mais.

O jogo, ao menos, melhorava, mas  o Grêmio abusava das faltas, principalmente em Diego.

O Flamengo buscava o empate muito mais na base de suas qualidades individuais do que coletivas e em bolas alçadas na área.

E, aos 44, alcançou o travessão tricolor com Éverton, de fora da área.

O Grêmio foi para o intervalo na frente, como mereceu, mas pressionado no fim do primeiro tempo.


Se no Rio o jogo não era o que se imaginava, e estavam em campo dois times do topo da tabela, imagine em São Paulo, no Morumbi, onde fingiam que jogavam o São Paulo e o Atlético Goianiense, ambos na parte de baixo.

Era tão ruim que a torcida ovacionava o ex-corintiano Jucilei, porque, ao menos, mostrava vontade.

Tão ruim que desisti, até porque com dificuldades técnicas para acompanhar dois jogos ao mesmo tempo onde estou com a netas.

Ouvi que o também Pratto fez 1 a 0 e que o Atlético empatou em seguida, com Niltinho, já no segundo tempo,  e que Marcinho fez 2 a 1, mas Bruno Pacheco fez 2 a 2, diante de 31.333 pagantes, resultado que mantém ambos nas duas últimas posições.

O Flamengo voltou com a corda toda para o segundo tempo e em dois minutos criou duas situações de gol.

O rubro-negro flamejava e trocou Márcio Araújo pelo estreante Geuvânio, mas a melhor chance quem perdeu foi um Luan em contra-ataque, aos 15, depois de bobeada de Diego.

Mas a pressão continuava diante de um Grêmio acuado, embora ameaçador nos contra-ataques.

Barrios deu lugar a Everton, aos 25, para contra-atacar ainda mais e ter sangue novo para resistir.

O resultado era o mais interessava ao líder Corinthians, porque 10 pontos adiante do Grêmio e 12 do Flamengo, com quem ainda não jogou e que era o time que mais o ameaçava.

Jaílson substituiu o esfalfado garoto Arthur no Grêmio e Vizeu e Mancuello entraram no Mengo nos lugares de Trauco e Cuéllar.

Aos 33, o goleiro Léo devolveu mal a bola que bateu em Leandro Damião e quase entrou.

O Flamengo perdia pela primeira vez como mandante e no Ninho do Urubu, com 16.960 pagantes, mais de 18 mil presentes.