Blog do Juca Kfouri

Corinthians segue implacável

Juca Kfouri

Há quem goste de duelos táticos em jogos de futebol que ficam mais parecidos com jogos de xadrez.

Assim foi o primeiro tempo de Corinthians e Cruzeiro em Itaquera, com 30.774 pagantes.

Como bem sabiam os corintianos, Mano Menezes fechou seu time para esperar um erro alvinegro ou um contra-ataque celeste.

Assim, só aos 31 minutos houve uma jogada perigosa, de Marquinhos Gabriel, que se livrou do goleiro Fábio, mas ficou sem ângulo.

Nova emoção só aos 42.


Jadson bateu seu segundo escanteio bem batido desde que voltou ao Corinthians — o primeiro havia sido contra o São Paulo, e Pablo quase aproveitou.

Hoje ele bateu na perfeição, mais para o segundo pau e Balbuena subiu livre para fazer 1 a 0.


O Cruzeiro teria de voltar diferente para o segundo tempo e aí Mano Menezes iria enfrentar seu pupilo Fábio Carille que também sabe fechar seu time como poucos.

No primeiro, a maturidade e a organização corintianas se saíram melhor.

Os mineiros voltaram com Alisson no lugar de Henrique, para atacar, é claro.

Em seis minutos o Cruzeiro fez o que não havia feito o jogo todo e Ábila perdeu um gol incrível ao mandar a bola nas nuvens na pequena área.

A resposta corintiana veio com duas cabeçadas de Pablo em mais dois ótimos escanteios de Jadson e Fábio fez duas grandes defesas.

Jô faria o segundo gol não fosse um impedimento mal marcado pelo levantador de bandeirinhas.

O jogo estava muito melhor, com o Cruzeiro na pressão, empurrando o Corinthians para trás, mas que contra-atacava.

Aos 23, Clayson substituiu Marquinhos Gabriel.

Em seguida, saiu Rafinha e entrou Rafael Sóbis, de volta.

Quem voltou também foi Giovanni Augusto, no lugar de Jadson.

O Cruzeiro insistia e se dava conta de como é difícil fazer gol no líder invicto do Brasileirão.


Pablou puxou Ábila na área e o assoprador de apito não viu ou, se viu, não quis marcar.

Thiago Neves saiu e Rafael Marques entrou.

Defesa mesmo, Cássio não precisou fazer nenhuma quando o jogo chegou aos 40 minutos.

A primeira, fácil, foi aos 43.

Camacho em campo, Romero fora.

Segurar a vitória preciosa, a sexta em sete jogos era essencial e Cássio, aos 47, evitou o empate em chute de Sóbis.

O Corinthians segue invicto, líder e implacável.

Mas o empate teria sido mais justo.