Blog do Juca Kfouri

Ponte Preta fulminante!

Juca Kfouri

Fulminante!

Não há outra palavra para expressar o que houve no primeiro tempo na ensolarada Campinas.

Lembrou Alemanha x Brasil.


Em 40 segundos a Ponte Preta fez 1 a 0, com Pottker.

Em sete minutos, fez 2 a 0, com Lucca.


Em 33 fez 3 a 0 com Jeferson.

Do outro lado não estava o rebaixado São Bernardo.

Mas o líder Palmeiras.

Não, não se fará menção aqui a um chocolate no domingo da Páscoa.

Estava mais para o massacre do Mineirão.


Quando o intervalo chegou veio como alívio ao perplexo visitante.

Era a chance de botar a cabeça no lugar, voltar com a bola no chão e tentar impor o maior poderio alviverde.

Susto tomado, haveria que reagir. Ao menos, diminuir.

Porque a Ponte Preta parecia mesmo a Alemanha.

O Palmeiras voltou com Michel Bastos no lugar de Guerra.

Em 2008, quando Ponte e Palmeiras decidiram o Paulistinha, o time da capital ganhou por 1 a 0 em Campinas e por 5 a 0 no Parque Antárctica.

Se repetir o resultado do segundo jogo, agora, estará de ótimo tamanho.

A Macaca voltou mais cuidadosa e o Periquito com a bola no pé.

Aos 12, como nada acontecia, Alecsandro substituiu Borja.

Lentamente, a Ponte passou a controlar a semifinal e até a ficar mais próxima do quarto gol.

Aos 20, o veterano Wendel entrou no lugar de Jadson, machucado, na primeira troca campineira.

Aos 25, como tudo seguia igual, Eduardo Batista pôs Roger Guedes e tirou Willian.

Cinco minutos depois Gilson Kleina respondeu com Lins na vaga de Clayson, também lesionado.

Um gol alviverde melhoraria imensamente a vida do Palmeiras.

Um pontepretano praticamente definiria o primeiro finalista,  a não ser que o Palmeiras dê uma de Barcelona e a Ponte de PSG.

Mas nem o Palmeiras vive na Catalunha, nem a Ponte Preta em Paris.

Aos 36, com Lucca e Yago, por pouco o quarto gol não saiu diante de quase 14 mil torcedores.

Aos 37, com Michel Bastos, por pouco não saiu o primeiro.

Aos 40, Fernando Press fez pênalti em Pottker, claramente.

A Macaca já tinha do que se queixar.

E o 3 a 0 já estava barato para o Palmeiras.

Lucca saiu, Artur entrou e o placar do primeiro tempo ficou.

O placar moral foi, no entanto, 4 a 0.