Blog do Juca Kfouri

A despedida de Bernardão

Juca Kfouri

Se há um motivo para interromper as férias este se chama o anúncio de que Bernardinho não dirigirá mais a seleção brasileira de vôlei masculina que lhe rendeu duas medalhas de ouro olímpicas além de todos os títulos que alguém possa conquistar.


Bernardinho que de diminutivo só tem o apelido porque é um dos treinadores mais superlativos do esporte mundial, se despede com chave de ouro, depois de subir ao degrau mais alto do pódio na Rio-16, fecho brilhante dos Jogos num Maracanãzinho inesquecível.

Se o primeiro ouro, em Atenas em 2004, veio com um time dos sonhos, 12 anos depois foi conquistado também com arte, mas, sobretudo, com o coração, numa campanha inesquecível para quem se despede ainda com três medalhas de prata e duas de bronze olímpicas, além do tricampeonato mundial em 2002/6/10, do bi na Copa do Mundo em 2003/7 e nada menos que oito títulos da Liga Mundial.

Os olhos de Bernadinho(ão) revelavam, em sua entrevista coletiva depois da semifinal olímpica, contra a Rússia, no Rio, já de madrugada, que ele não ficaria, embora o coração parecesse não querer a despedida.

Consumada agora, só resta dizer: muitíssimo obrigado, Leão das Quadras!