Blog do Juca Kfouri

De volta aos Aflitos, já!

Juca Kfouri

20130914-113046.jpg

Por ROBERTO VIEIRA

O Náutico e sua torcida sonharam com a Arena, mas foi tudo um sonho nebuloso. Prometeram-se mundos e fundos e a realidade se comprovou sem mundos e sem fundos. Tal e qual navegantes portugueses imaginando construírem imenso Portugal demos com os burros n’água. Portugal acabou arruinado perante o resto do mundo.

Por quê?

Porque a quase totalidade dos alvirrubros não leu o contrato até hoje; desconhece as cláusulas e confiou nas promessas dos donos da Arena e dos dirigentes. Fez fé nas leituras iluminadas de uma comissão eleita para destrinchar o nó de noventa páginas documentais nos seus mínimos detalhes.

Se tudo estivesse preto no branco, OK! Porém, as promessas eram ouro de tolo. Os serviços ao público na arena? Pífios. Melhor o comeu morreu do Eládio. Nos camarotes vips (?!) barram até danoninho de recém nascidos. ‘Tem de consumir do menu!’. Água? Parece o deserto do Saara. Acesso ao estádio? Brincadeira de empurra empurra do poder público e do privado. A Copa das Confederações? Também foi um terror.

O torcedor do Náutico nem suspeita e paga fortunas pra jogar na Arena. Parte das belas rendas iniciais do Brasileirão foram embora no caminhão de despesas do Coliseu. Até ingressos privativos do Clube apareceram vendidos por baixo do pano, segundo denúncias na mídia.

Portanto, como não cumpriram o prometido, melhor calçar as sandálias da humildade. Planejar uma Arena no velho estádio de guerra. Largar o mausoléu no meio da mata para quem de direito. Bandas de axé, rock e sertanejo universitário.

O quê? Assinamos por trinta anos de contrato.

A gente desassina. Foram incorretos com sócios e torcedores – pra dizer o mínimo. Os dirigentes atuais nos legaram lanternas e vexame. Não vale a pena assumir mais uma herança maldita.

De volta para os Aflitos, já!

Perdemos os anéis. Vamos salvar as chuteiras. Antes que seja tarde…

*Autor do texto ‘ARENA AFLITOS’ lido na assinatura do contrato para utilização da ARENA entre o governo de Pernambuco e o Clube Náutico Capibaribe e co-autor do livro ‘Adeus, Aflitos!’