Blog do Juca Kfouri

Os massagistas da mídia

Juca Kfouri

OLIMPÍADAS 2012

Por ANDREW JENNINGS

Reproduzido da agência Publica

Existe uma associação fechada de repórteres esportivos que escrevem sobre as Olimpíadas na imprensa britânica. É a chamada “Associação dos Jornalistas Olímpicos”. Passe os olhos pela lista de membros e você reconhecerá muitos daqueles que assinam as sessões de esporte nos jornais, rádio, televisão e nos meios online, como os jornalistas Mihir Bose, David Bond, Paul Kelso e Ashling O’Connor. São pessoas que cobrem não só as Olimpíadas, mas também a FIFA e outras federações esportivas internacionais.

Mas observe a lista de membros de 2009, no ano anterior às últimas Olimpíadas de Inverno, em Vancouver. Espere um minuto: ali está Jon Tibbs. E ele não é jornalista. É um marqueteiro da empresa Bell Pottinger and Hill & Knowlton, cuja consultoria – que tem as mesmas iniciais do dono, JTA – oferece “construção de marca estratégica” e “assessoria de comunicação” para “clientes no movimento desportivo internacional”.

Tibbs trabalhou durante a disputa para sediar as Olimpíadas nas cidades de Atenas, Pequim e Sochi. Além disso, ajudou a recuperar reputações depois do escândalo sexual e de tentativas de suborno em Salt Lake City, nos EUA. Dez membros do Comitê Internacional foram demitidos ou se demitiram. Ele também foi um verdadeiro colete a prova de balas para a família Glazer, dona do time de futebol Manchester United.

Mas espere. O nome de Charles Battle também está ali. E ele também não é jornalista. É um advogado que se tornou consultor, cuja maleta recheada de milhares de dólares viajou do Caribe à Florida para ganhar os votos dos membros do Comitê Olímpico Internacional (COI) para a cidade de Atlanta durante a disputa para ser a sede das Olimpíadas de 1996.

Por fim, ali também está o nome de John Boulter, ex-atleta britânico na corrida de 800 metros, antigo membro da equipe de relações internacionais da marca Adidas e membro do pelotão de Lorde Coe para persuadir mentes e corações em prol das Olimpíadas de Londres em 2012, e também o nome de Jean-Claude Schupp, outro membro da equipe da Adidas que, desde os anos 70, intervém nas eleições para lideranças do Comitê Olímpico, da FIFA e da Federação Internacional de Atletismo.

O que diabos essas pessoas estavam fazendo no clube de repórteres? O que aconteceu com a independência jornalística que nos mantém distantes das pessoas sobre as quais escrevemos? A lista de membros diz bastante sobre o que está errado no jornalismo esportivo: a falta de escrutínio e ceticismo é a sua marca principal.

Eu já escrevi várias vezes sobre esses marqueteiros, mas mesmo assim eles só foram eliminados depois que o repórter investigativo alemão Jens Weinreich publicou reportagens sobre isso e fez um tremendo alarde. Mesmo assim, algumas daquelas logomarcas hoje enfeitam a capa do manual da associação voltada a jornalistas esportivos.

Quem mais estava no clube antes de Jens resolver denunciar essa proximidade? Estava Sead Dizdarevic, morador de New Jersey, que admitiu em 1999, para agentes do FBI, fornecer sacolas de dinheiro para influenciar o voto de membros do COI sobre a sede das Olimpíadas de Inverno de 2002. Sua empresa, a Jet Set Sports, esteve por trás da candidatura de Utah.

Ele queria receber a franquia da hospitalidade olímpica, e conseguiu – para Utah, para Pequim, para os jogos de Vancouver e, novamente, para a cidade de Londres este ano. Em fevereiro, o programa Dispatches, da TV inglesa, filmou com uma câmera escondida um porta-voz da Jet Set oferecendo acesso não autorizado às rotas de tráfego restritas a atletas durante os Jogos Olímpicos. A logomarca da empresa Jet Set também estampa o manual do clube de jornalistas olímpicos.

Mais de US$ 100 milhões em subornos

Jean-Marie Weber era outro membro do clube de repórteres. Weber era o “homem da mala” da empresa de marketing esportivo ISL e liberou mais de US$ 100 milhões em subornos para dirigentes esportivos em troca de contratos de marketing multibilionários para as Olimpíadas e para a Copa do Mundo.

Ainda assim, ele continua sendo membro da Associação de Jornalistas Olímpicos um ano após admitir na corte Suíça haver pago propina em troca de contratos. Afirma-se que um desses subornos, de US$ 1 milhão, foi para o ex- presidente da FIFA, João Havelange. Depois de um programa que eu fiz para a BBC, o suborno foi investigado pela comissão de ética do Comitê Olímpico Internacional COI. Havelange se demitiu do COI apressadamente no ano passado.

Há outro nome que merece ser citado. Mike Lee foi eleito profissional de relações públicas do ano durante a semana do RP em 2005. Ele trabalhou para o Partido Trabalhista britânico, para a Premier League e para a União das Federações Europeias de Futebol antes de se juntar a Lorde Coe na preparação das Olimpíadas deste ano.

Aproveitando o sucesso de Londres, abriu a empresa Comunicações Vero, e ajudou a ganhar o Jogos Olímpicos de 2016 para o Rio de Janeiro e os Jogos de Inverno de 2018 para Pyeongchang, na Coréia do Sul.

A missão de Mike é, segundo suas próprias palavras, “contar histórias mais convincentes, criativas e verdadeiras para ajudar a vitória dos nossos clientes, seja qual for a sua meta”.

Em um livro chamado A corrida para as Olimpíadas de 2012, Mike é descrito assim: “Dentro do esporte ele tornou-se reconhecido como um operador leal e confiável que estava preparado para sujar as mãos e trabalhar incansavelmente para promover e defender aqueles que ele representava”.

O livro é favorável a Mike, que é apontado como autor. Mas na verdade ele foi escrito pelos ghostwriters David Bond, agora o editor de esportes da BBC, e Warner Adrian, correspondente da BBC de Londres nas Olimpíadas.

Mike Lee estava na folha de pagamento da proposta do Catar para sediar a Copa do Mundo de 2022.

Comprando Batistuta

Em janeiro de 2010, nove meses antes da votação, ele foi responsável por levar o ex-astro argentino e “embaixador” do Catar, Gabriel Batistuta, para Londres, em uma breve visita promocional.

Na ocasião a BBC Sport entrevistou Batistuta. Havia um profundo ceticismo entre os fãs de futebol e dirigentes sobre realização da Copa do Mundo no calor escaldante do Catar. “Tenho certeza de que o clima não será um problema”, insistiu Batistuta, “Eu joguei lá por dois anos, joguei algumas partidas no calor e era possível”.

“Atualmente, há estádios que possuem um sistema de refrigeração e você pode escolher a temperatura na qual você quer jogar”, explicou. “Então, como você pode imaginar, dentro de 10 anos a tecnologia terá melhorado a tal ponto que cada um dos estádios que serão usados na Copa, terá esse sistema.”

Batistuta estava vendendo a difícil oferta do Catar, mas ele não era uma fonte independente e imparcial – estava recebendo milhões de dólares para reproduzir o discurso do país.

Um ano depois, na Câmara britânica, durante a audiência do comitê de seleção, o congressista Damian Collins perguntou a Mike Lee: “Sete milhões de dólares foram gastos na contratação de Gabriel Batistuta?” Lee respondeu: “Isso nunca foi provado ou justificado, mas estou ciente do relatório que diz isso. Acho que é verdade”.

Mudando a manchete da poderosa BBC

Na época, a manchete do site da BBC, “Batistuta apoia candidatura da Inglaterra 2018” não agradou ao governo do Catar.

O executivo-chefe da candidatura, Hassan al-Thawadi, sentado em seu escritório no 26º andar do Edifício do Comitê Olímpico do Catar, em West Bay, na capital Doha, leu e odiou. “Ele estava gritando”, relatou um funcionário que estava no escritório no momento.

Hassan enviou uma mensagem para Mike Lee: alterar a manchete. Normalmente, quem não gosta das reportagens da BBC pode preencher um formulário online ou ligar para um telefone dedicado a queixas. A resposta é dada em até dez dias.

Mas para Mike Lee, marido da ex-diretora da BBC Heather Rabbatts, há um jeito mais fácil.

Barbara Slater, diretora de esportes da BBC, confirmou por email que o “Sr. Lee entrou em contato com a BBC logo após a publicação do artigo no site da BBC Esportes. Nós não temos um relato escrito da conversa, mas a jornalista em questão lembra que o Sr. Lee estava descontente com a reportagem”.

Poucos minutos depois um dos colegas de Mike Lee, John Zerafa, mandou um e-mail para Doha, triunfante: “Conseguimos mudar… O cabeçalho é muito melhor do que pensamos. Agora a BBC não mudará mais”.

A nova manchete era “Batistuta quer evitar disputa entre Catar e Inglaterra para a Copa de 2022”. O título original continuou apenas como link na ferramenta de pesquisa da BBC.

“Os jornalistas envolvidos com a história não têm registro ou lembrança de mudar o título”, explicou por email a Sra. Slater. “É uma prática comum ter manchetes um pouco diferentes entre a página inicial e a reportagem em si –Há mais espaço para personagens neste último. As duas manchetes são compatíveis entre si e refletem com precisão o conteúdo da entrevista com o Sr. Batistuta”.

No email, ela prossegue dizendo que “a entrevista com o Sr. Batistuta foi condizente com a estratégia editorial da BBC de fornecer um relato equilibrado, imparcial e detalhado do processo de candidatura. Todos na BBC Sport reconhecem a importância de preservar a integridade e a independência da BBC. Estes são valores que os jornalistas da BBC Esportes vivem e respiram todos os dias, e [foram] aplicados de forma adequada durante a entrevista, em janeiro de 2010, com o Sr. Batistuta”.

Enviei um email a Mike Lee e perguntei-lhe se era verdade que, como resultado de sua ligação, a manchete foi mudada. Ele escreveu de volta: “Oi Andrew, quem sou eu para duvidar de sua palavra? Espero que esteja tudo bem, os melhores votos, Mike”.

A empresa de Mike Lee, Vero, está agora promovendo a candidatura olímpica de Doha para 2020.

Entra em cena o “gestor de crises”

Do lado de fora da Associação dos Jornalistas de Olímpicos, mas dentro do círculo de agitadores de marketing, está Peter Hargitay, um suíço-húngaro “gestor de crises” convocado pelo presidente da FIFA Sepp Blatter para lidar com acusações de corrupção.

Antes disso, ele fora absolvido – duas vezes – de acusações de tráfico de cocaína, e fora mantido sob custódia em Miami durante sete meses por oferecer risco de fuga. Também era sócio de uma agência de detetive particular em Zurique, vangloriando-se do fato de que poderia aplicar golpes em contas bancárias, ao mesmo tempo em que era perseguido por um empresário suíço, que alegava uma dívida de 2 milhões de libras.

Hargitay defendeu a empresa Union Carbide após o desastre de Bhopal, na Índia, no final de 1984, quando um derramamento de gases tóxicos matou mais de mil pessoas e atingiu meio milhão. Ele também representou o fraudador de impostos Marc Rich, assinalado como um dos homens “mais procurados dos Estados Unidos”.

Hargitay se gaba de pode controlar os meios de comunicação. Em um de seus muitos sites, ele anuncia a “indivíduos de alta renda” que “se o cliente tem grandes problemas, a resposta é uma poderosa estratégia para ficar fora da mídia e preparar reportagens, notícias e alternativas de furos que desviem, prejudiquem e desestabilizem o interesse da imprensa”.

Hargitay procura impressionar potenciais clientes ao vangloriar-se de ter estreitas relações com repórteres esportivos. E chega até mesmo a encaminhar correspondências privadas como prova disso. “Eu li praticamente todos os artigos [da proposta de candidatura da Inglaterra à Copa] por curiosidade profissional e concluí que as suas reportagens foram mais sólidas e de melhor qualidade”, informou Hargitay a um conhecido repórter esportivo de Londres. “Peter, muito obrigado pela nota, você é muito gentil”, respondeu o tal repórter, em correspondência encaminhada a um cliente Hargitay.

Minha própria experiência com Hargitay fornece alguma luz sobre como as coisas funcionam na obscura intersecção entre o jornalismo esportivo e as relações públicas.

Em 2006, eu fiz um programa para a BBC relatando que em 1997 Sepp Blatter, então secretário-geral da FIFA, tinha tido conhecimento de um suborno de US$ 1 milhão para o então presidente João Havelange.

No ano seguinte, na véspera do lançamento de campanhas para as Copas do Mundo de 2018 e 2022, eu contei no mesmo programa da BBC que houvera pagamento de subornos para que a Alemanha sediasse ao Copa de 2006. Em outro programa informei sobre as tramoias com ingressos executadas pelo vice-presidente da Fifa, Jack Warner. Quando o procurei, ele me ameaçou e até cuspiu em mim no aeroporto de Zurique. Depois em Trinidad, me disse: “Vá se foder”. Estava claro que eu iria fazer mais programas sobre a corrupção de Blatter e da FIFA.

Em maio de 2008 Hargitay presenteou o então editor de esportes do jornal Daily Telegraph, David Bond, com uma impressionante entrevista exclusiva.

Não era segredo que o presidente da Associação Inglesa de Futebol e líder da candidatura para a Copa do Mundo de 2018, Lorde David Triesman, fora membro do Partido Comunista e participara do movimento estudantil na Universidade de Essex antes de se tornar tesoureiro do partido trabalhista britânico. Mas Hargitay dizia que eu havia sido membro do partido Comunista junto com ele na Universidade de Essex.

David Bond me ligou para checar as alegações de Hargitay. “Não, eu não estudei em Essex, David. Eu estudei na Hull University. Cinco anos antes. Sim, a Hull. Não, eu nunca fui membro do partido comunista. Eu nunca conheci David Triesman. Não na Universidade. E nem depois. Nunca o conheci”. Alguns dias depois David Bond me mandou um email confirmando que Hargitay era sua fonte. O Telegraph não publicou a matéria plantada.

O esporte deve ser monitorado pelo público

Em maio de 2011 Triesman prestou depoimento perante o comitê de Cultura, Mídia e Esporte a respeito da candidatura da Inglaterra como sede das Olimpíadas.

Ele explicou que logo no começo da disputa, recebeu a visita de Blatter em Zurich. “Na primeira parte da conversa ele me questionou se Andrew Jennings era meu amigo, e se estudamos juntos na universidade. Acho que ele ficou surpreso quando eu disse que nós nem nos conhecíamos. Ele estava muito preocupado com essa possível amizade e continuou batendo na mesma tecla por algum tempo.”

Hargitay, que foi contratado por um breve período para ser conselheiro da Inglaterra na disputa, foi dispensado assim que Triesman assumiu a presidência da Associação Inglesa de Futebol. De acordo com a revista Private Eye de janeiro de 2011, Hargitay pedira 4 milhões de libras em dinheiro para propinas a serem pagas a dirigentes da FIFA.

Para muitos repórteres esportivos sediados em Londres, Hargitay continua sendo uma fonte confiável.

O fato de que repórteres deixaram esses massagistas da mídia entrarem em seus clubes particulares é apenas um sintoma de um problema muito maior: a falta de escrutínio público.

O esporte é um grande negócio, tem muita influência sobre politicos e, como a cidade de Londres tem aprendido, pode ser usado para consumir quilômetros de terrenos, destruir espaços públicos, suspender liberdades civis e garantir isenções em impostos.

É em nome do interesse público que o esporte deveria ser adequadamente monitorado.

E além disso, não é muito digno ficarmos recebendo ordens de tipos como Hargitay e seus colegas.

É muito mais divertido estar do outro lado

Eu fui condenado à prisão na Suíça por dizer que o presidente do Comitê Olímpico Juan Antonio Samaranch era corrupto. A sentença foi suspensa – mas eu me orgulho muito disso. Também me orgulho de ter sido proibido de participar das conferências de imprensa da FIFA e de seus escritórios desde que publiquei uma reportagem sobre um enorme bônus secreto que Blatter pagou a si mesmo. Claro que a FIFA não deveria ter feito isso. É autoritário, pura censura. Mas eu considero um grande elogio.

Quem está fora do pequeno círculo conhece as pessoas mais bacanas, mais engraçadas – e melhores jornalistas, como Jean-Francois Tanda, em Zurique, um advogado que virou jornalista usando os tribunais para forçar a os diretores da FIFA a publicar a investigação criminal devastadora sobre quem recebeu os US$100 milhões em propinas pagas por Jean-Marie Weber. Há o time do Sunday Times de Claire Newell e Jonathan Calvert, que gravaram com câmera escondida alguns diretores da FIFA pedindo propinas –o que forçou a sua expulsão. E, é muito prazeroso colaborar com dois dos melhores repórteres investigativos no Brasil, Juca Kfouri e Rodrigo Mattos, descobrindo quem são os personagens duvidosos envolvidos na preparação das próximas Copa do Mundo e Olimpíadas.

Quando eu visito as escolas britânicas de jornalismo, costumo citar o conselho do falecido jornalista Louis Heren: tentem descobrir por que este canalha está mentindo para vocês. Ou então cito a frase do Lorde Northcliffe: “Notícia é algo que alguém, em algum lugar, quer suprimir. Todo o resto é mera propaganda.”

Eu convido todos os jovens repórteres a repetirem alto comigo essas frases – e eles sempre repetem. É muito alentador.

Andrew Jennings, para o British Journalism Review

  1. Rogério

    06/08/2012 08:22:18

    Excelente, Juca!Parabéns pela parte que lhe cabe deste difícil e relevantíssimo trabalho!! Forte abraço.

  2. Rodrigo

    03/08/2012 12:37:52

    Prezado Juca, os pobres mortais, onde me incluo, nem imaginam que isso aconteça. Isso é coisa de filme de espionagem! Bom saber que existem pessoas que ainda se importam e lutam contra isso e que, mais importante, podemos acreditar nelas. Pois hoje já não sabemos mais em quem acreditar! Meus sinceros votos paara que vocês continuem nessa luta e nos façam continuar acreditando.

  3. Kurdot

    02/08/2012 16:35:50

    Perdao Kate, mea culpa, obrigado pelo relevante comentario sobre minha opiniao. Nao repare a falta de acentos pois o teclado nao me permite.

  4. Adriano

    02/08/2012 15:00:24

    A Veja faz parte desses acordos.Olha o Cachoeira ai, metido com todos inclusive com a Veja e a Globo

  5. sucateza

    02/08/2012 14:51:01

    Infelizmente, atividades que envolvem muito dinheiro serão sempre alvo de gente corrupta, sem escrúpulos. Porém, temos que denunciar todos esses podres, e, nesse sentido, é muito bom que exista gente como Andrew Jennings e Juca Kfouri!

  6. Luiz Paulo Santana

    02/08/2012 11:44:15

    Leitura obrigatória, pela cidadania, como um trabalho, para que não sejamos inocentes idiotas, gado vacum manipulável, e não é só no esporte. O dinheiro, a grana, está penetrando em todos os setores, sobretudo e estrategicamente nos meios de comunicação, usados para fazer a cabeça de quem tem preguiça de ler e estudar, e passa a ser inocente útil. Valeu Juca, Andrew, Rodrigo e tantos outros.

  7. Edival

    02/08/2012 11:08:34

    Sempre seguiu.

  8. Edival

    02/08/2012 10:58:24

    O presidente do Santos disse no programa Cartão Verde da TV Cultura, que estes custos com o sr. Neymar fazem parte do contrato de Neymar Jr. com o Clube.

  9. J.Andrade

    02/08/2012 06:39:22

    Quando se diz seriedade na Europa, óbvio que não existe 100 por cento, mas aqui, estamos nos 100 por cento de corrupção, desleixo, inépcia, pois vemos no dia a dia, o consumo de drogas aumentar(maconha já é igual a cigarro, pois se consome na rua sem qualquer repressão), escolas públicas básicas, as piores da A.Latina, saneamento básico que nem básico é. Ao menos temos na Europa escolas básicas qualifiicadas e com povo com mais formação e senso critico. É só observar as respostas aqui postadas para ver o desinteresse. E sem formação o povo será mais fácil, óbvio, de manipulação como hoje aqui ocorre. Acompanho o dia a dia e observo, ao menos aqui em Blumenau, um desinteresse na olimpíada, em locais públicos privados: padarias,bares,clínicas, etc, onde há televisores que estão sintonizados, a maioria, na globo. Parece uma doença! "É a novela das oito";"viu o faustão"; "viu o fantástico". Pobre Brasil. Chega a copa, esquecimento geral, oba oba, falso patriotismo(pátria de chuteiras, não existe) e segue a boiada, e nós junto a ela.

  10. Tonico e Tinoco

    02/08/2012 04:29:59

    Tá, mas depois não vem reclamar que ninguém faz nada pra acabar com a roubalheira no esporte!

  11. Andre Munhoz

    02/08/2012 04:27:50

    É Flávio, infelizmente muitas outras pessoas como vc sofrem de caimbra mental e como resultado pessoas como Ricardo Teixeira e João Havelange roubam o seu, o meu e o dinheiro de muitas outras pessoas. E enquanto vc taí na sua preguiça, eles estão rindo da gente com o bolso farto de dinheiro sujo!

  12. Andre Munhoz

    02/08/2012 04:24:14

    Quer dizer então que a FIFA e o COI têm ajuda até mesmo de um traficante de cocaína pra realizar seus eventos...? Lamentável!!!

  13. Trisco/Furacão

    02/08/2012 04:06:56

    JUKA ! A corrupção existe em todo o planeta. Acontece que no primeiro mundo os caras tem que ser PhD pra enganar um povo mais culto e exigente . Aqui no Brasil qualquer ladrão-de-galinha se dá bem , Lá não . E no Japão então : a moral só é castigada quando se descobre a falcatrua : aí o autor faz arakiri. JUKA , muito bom !

  14. carlos

    02/08/2012 04:05:22

    continuo não entendo como a inglaterra conseguiu fazer a olimpíada esse ano com tanto suborno envolvido. o jornalista inglês não conseguiu descobrir nada em seu galinheiro ? os jornalistas esportivos tem memória curta e sempre esquecem o que escreveram como por exemplo : a alemanha com ol kaiser conseguiu reverter o voto da nova zelândia durante a madrugada e venceu por um voto . a copa será na alemanha. o representante da nova zelândia embarcou no primeiro avião para sua terra e portanto não foi possível ninguem entrevistá-lo.eu não estava lá mas lembro bem da materia assinada pelo jamil chaade, correspondente brasileiro e que ainda está vivo. blatter tocou no assunto quando pressionado recentemente. pergunto : o jamil chaade esqueceu o que escreveu no jornal o estado de são paulo ? ficou na muda, pianinho como se não lembrasse do fato. eu acredito muito mais no canditato do aerotrem , no eimael um democrata cristão do que em qualquer jornalista. perdão aos jornalistas villa boas correa e heitor cony. pode colocar o gilberto dimenstein e mais alguns . o resto joga fora no lixo.

  15. DOUGLAS

    02/08/2012 03:32:31

    Enquanto você tem preguiça de ler, o esporte continua lhe parecendo verdadeiro.Preferia não ter lido, e continuar na ignorância, mesmo já suspeitando de tudo isto...PARABÉNS JUCA!

  16. Carlos Husky

    02/08/2012 02:11:16

    Parabéns pela citação Juca.Mas e quanto aos "massagistas" aqui do Brasil? Como estão as coisas?

  17. mauricio

    02/08/2012 02:03:53

    caro Jucao texto é muito bom!!!!!quero ver os nomes da imprensa brasileira nesse imbroglio

  18. Kate

    02/08/2012 01:34:04

    exceção?

  19. Jose Mario HRP

    02/08/2012 01:24:11

    Galvão Bueno gagou no prohaminha olimpico da Sport tv!Afrontou o Renato , colunista do Globo, e discutiu com o mesmo, tornando sua insatisfação por sair de Monaco e comentar fora da Globo.]A discussão sobre a medalha de prata do volley masc. de 1984 foi ridicula e maculou o jornalismo ersportivo!Cai fora Galvão!

  20. Antônio

    02/08/2012 00:47:17

    Fico com medo só de tentar imaginar o que pode acontecer no Brasil...

  21. Daniel

    02/08/2012 00:42:43

    Da-le Juca, Da-le Andrew ! Quando ele virá ao Brasil para algum evento público ? Organiza aí Juca ...

  22. leo - londres

    02/08/2012 00:07:57

    eh escoces.

  23. Carlos Vieira

    01/08/2012 23:35:05

    Juca, não sou jornalista, mas me senti muito orgulhoso por ter uma pessoa como você fazendo parte de um seleto grupo de pessoas que confiamos.Crítico, cético e engraçado. Existe um provérbio bíblico que diz : maldito homem que confia no homem (obviamente uma figura de linguagem), entretanto algumas pessoas demonstrar ser confiáveis, você é uma delas. Parabéns!

  24. mano

    01/08/2012 23:31:17

    alemanha , inglaterra , europa inteira ..... paises sérios , você tá de brincadeira , desde que o mundo é mundo e que rola uma boa grana , os europeus se mostram os mais ganaciosos , Temos muitaaaaaa corrupção aqui , mas nós brasileiros achamos que somos donos dessa modalidade olimpica .

  25. Marcelo

    01/08/2012 23:30:38

    Sr. Juca Nesta onda de denuncismo que sempre virtua os seus caminhos, o que o Sr. acha de o pai do Neymar ter ido a Londres as custas do SFC? A Diretoria que o Sr. considera exemplar ao futebol brasileiro tem 414 funcionarios (incluindo o pai do Neymar) em cargos de confiança? O que o Sr. acha disso?

  26. Fernando

    01/08/2012 23:18:58

    Depois de ler esse artigo percebi que a Veja está seguindo padrões internacionais :D

  27. Heitor

    01/08/2012 23:00:47

    Parabéns pelo ótimo texto e pela citação ao seu nome. E gostaria de incluir teu companheiro de UOl José Cruz neste grupo de excelentes investigadores! Quanto ao Rafael Lemos , é por atitudes como a dele que esse corruptos continuam a roubar em todas as areas! Mais Jennings , Kfouris , Cruz entre outros em todas as areas do Jornalismo!

  28. Souza, Antonio

    01/08/2012 22:40:33

    Juca, tal qual vc, adoro a Ciência Social e me meto a escrever sobre o comportamento humano e, principalmente, sobre o AMOR UNIVERSAL.Apaesar de ser uma pessoa espiritualizada, eu não tenho religião, mas se eu tivesse uma "varinha de condão", eu transformaria essa "josta" de mundo que vivemos, num grande coração. Espero, que a "ignorância", sempre de plantão, não ache que eu seja gay, não. rs Adoro o SER mulher e, não abro mão da companhia delas não!Mesmo que eu não faça comentários sempre sobre o que vc coloca no seu blog, eu leio o que vc escreve diariamente e, mais uma vez coloco: vc substituiu o "grande" João Saldanha jornalisticamente para melhor, pois vc, com a mesma visão de mundo, consegue ser mais flexível, isso por hoje, não mais vivermos sob uma ditadura militar, ganhando porradas e sendo torturados. Hoje, pode-se, apesar do cerceamento do governo federal, da justiça e dos "poderosos", nos colocarmos, mesmo que um profissional tal qual vc, tenha que enfrentar diversos processos.Lamento, pois o texto que vc publicou acima do Jennings, a maioria dos torcedores fanáticos e "ignorantes" -de ignorar o que se passa de importante no mundo- dos clubes brasileiros, passarão longe. Desejo para vc, muita proteção e Luz divina, acompanhado de muitos momentos felizes junto aos que vc ama e, lhe parabenizo pelo seu segundo "time" de coração, ser o Fluminense Futebol Clube.Abraços fraternos.

  29. Indignado_sp

    01/08/2012 22:30:54

    É inacreditável que alguns jornalistas brasileiros ainda "babem ovo" para esse sujeitinho preconceituoso, chamado Andrew Jennings, que trataou o Brasil, dentro do Brasil, como se isso aqui fosse uma República das Bananas, como a Guatemala, Honduras ou Nicarágua, achando que no Brasil só tem prostitutas e bandidos da pior espécie ! Veoi aqui dizer o que Dilma Rousseff tem de fazer ou deixar de fazer ! Por que esse cidadão não faz uma matéria sobre os mafiosos russos que desembarcaram na Inglaterra, recebidos com tapete vermelho pelas autoridades britânicas, crimonosos como Boris Berezowski, Roman Abramovich e outros delinquentes internacionais ! Explica para esse c.r.e.t.i.n.o que não é só o Brasil que recebe Ronald Bigss e Cesare Battisti, não ! A Inglaterra é pródiga em receber bandidos e dinheiro desses bandidos em solo de Sua Majestade ! Andrew Jennings, cuida primeiro do seu galinheiro, pra depois dar palpite no galinheiro dos outros !

  30. Bruno

    01/08/2012 22:30:36

    Caro Juca, parabéns pela colaboração com o Andrew Jennings. O trabalho investigativo que os senhores desenvolvem é absolutamente necessário. Corruptos sempre existiram e sempre existirão, preocupante será quando não houver os combata. Um abraço!

  31. Kurdot

    01/08/2012 22:19:02

    Pois quem nao leu deveria ler e reler. Me entristece evidenciar que nao temos nenhum Jennings em nossa politica, provavelmente nao viveria muito tempo, ou seria um Roberto Saviano, pois a camorra é um playground perto dos nossos politicos. E parabens Juca por colaborar e dividir os mesmos valores que essa turma, excessao feita a Renato Mauricio Prado, pode nao ser corrupto, mas tambem nao e jornalista..

  32. fernando leme

    01/08/2012 21:56:43

    Aproveitando a onda ... E o Romário de apresentador nas Olimpíadas ???Hahahahahhhhhhhhhhhhhhh Palé já rebateu q ele calado é um poeta !!!!!

  33. Marco Aurelio

    01/08/2012 21:52:08

    Só tenho uma coisa a dizer: este jornalista inglês, Andrew Jennings, além de jornalista exemplar, é um sujeito muito corajoso. Enfrenta os tubarões e peixinhos de peito aberto.Parabéns, Jennings! Quanto à mídia, não estranho que os corruptos de plantão tenham homens em pontos-chave...quem controla a informação, tem o poder.

  34. walter t

    01/08/2012 21:40:52

    obrigado, valeu e muito!wt

  35. Babu Loeb

    01/08/2012 21:37:58

    Grande jennings, otimo texto!!! Bem legal que ele te citou!! Parabens!!!Bem todos sabemos que e assim e que nao vai mudar tao cedo, bem bom pra se perceber que a corrupcao esta em todas as esferas, em todos os paises, nao e uma excusividade do nosso pais!!Abraco

  36. wagner

    01/08/2012 21:32:19

    Aos que não tiveram paciência para ler, uma pena. Grande descrição do submundo dos grandes eventos esportivos, e como esses alimentam um círculo vicioso e corrupto no mundo. O prazer em acompanhar os esportes, fitebol e todos os outros que ocorrem nas olimpiadas fica menor depois de termos conhecimento dessa sujeira.

  37. Edgar

    01/08/2012 21:26:12

    Desculpa Juca, mais esse inglês se acha o dono da verdade...O cara até parece um avatar religioso.

  38. G.Alves

    01/08/2012 21:23:15

    O que estaria Patricia Amorim fazendo nas olimpiadas ? Ja sei . Esta levantando fundos para pagar a conta telefonica . Como e uma mulher muito inteligente gastou 15 mil dolares para ir as olimpiadas levantar fundos de 2 reaus ou reais .Da para entender isso ? O time se fudendo , apanhando p caramba e a Rainha da Gavea gastando dinheiro adoidada .

  39. José Henrique

    01/08/2012 21:22:02

    Juca, por falar em "massagistas da mídia", você que está longe daqui, nem sabe que, por falta de assunto sobre o Campeão Brasileiro, e Campeão da América, o tema de alguns "massagistas" foi...........Você não vai acreditar.... vou falar devagarzinho.......Vai lá:O assunto para esses foi, o durepoxi mal colocado na taça cucaratcha desde 2009, no bonequinho chutando uma bola na ponta do troféu, que caiu de novo.:Então, para você ficar feliz aí, de uma olhada nessa cena, de um angulo que só um corinthiano mesmo, poderia fazer. De arrepiar, nem Copa do Mundo, tem isso::http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=CyzKg5P10i4

  40. Alex Gutenberg

    01/08/2012 21:21:17

    Tudo, absolutamente tudo, não passa de uma grande mentira - Alex GutenbergE cada dia que passa estou confirmando essa máxima que escrevi há 20 anos pela primeira vez num jornal do sul do Brasil. A picaretagem rola solta em todos os setores. Meia dúzia de jornalistas íntegros tentam manter a dignidade do esporte, mesmo contra os dirigentes que se locupletam diariamente.

  41. WANDERSON

    01/08/2012 21:12:01

    Esse veinho da aveia Quaker é bem chatinho também heim???

  42. Fernando Pinto

    01/08/2012 21:09:14

    Parabéns Juca Kfouri, por mais uma vez pelo intermédio do brilhante jornalista inglês Andrew Jennings, nos mostrar a verdade imunda que nos cerca e consome a todo momento.Faço apenas uma pergunta: Será que existiu algum evento(Olímpiada ou Copa do Mundo), que não tenha tido a sua sede comprada ou arranjada de alguma forma?

  43. anderson gurgel

    01/08/2012 21:05:17

    Belo texto, Juca. E muito merecida a citação do seu nome. Somente com muita militância e trabalho jornalístico as práticas da gestão vão mudar. À luta, na parte que nos cabe.

  44. Gaiato

    01/08/2012 21:04:51

    Beleza! Mas sobre o que mesmo é o post?

  45. J.Andrade

    01/08/2012 21:00:00

    Lendo isso, se comprova que as copas do mundo, nada mais são para enriquecer a entidade Fifa e seus membros e seus "prestadores" de serviço. Enojante! Aí pergunto Juca: como querer que torcemos para essa dita seleção? Como vocês, repórteres investigativos conseguem opinar e acreditar em copa do mundo? Como há "maracutaia" na entidade que a organiza, que dizer dos países que a recebem? Como uma Alemanha, país sério, pode aceitar isso? Como uma Inglaterra mesmo, país sério pode aceitar isso? Como, a Europa num todo não vê isso? Será que só nós tidos como "terceiros mundistas" somos corruptos e coniventes? Cada vez me convenço mais em esquecer que existe uma dita seleção brasileira e uma dita copa do mundo. Me enoja, me envergonha como cidadão tudo isso. Como, repito, encarar e torcer em uma copa? Me mostrem a fórmula.

  46. José Henrique

    01/08/2012 20:58:30

    Graças à imprensa, a gente fica sabendo das coisas colocadas embaixo do tapete.:Ontem ouvindo a CBN Campinas no programa CBN esportes apresentado pelo Marco Massiarelli, o radialista João Carlos de Freitas, contou uma história sobre o titulo do S.Paulo de 1992 no Japão, realmente escabrosa.:De fazer a gente perder a fé no esporte. E justamente o SPFC, cantado em versa e prosa como exemplo.

  47. Joao CWB

    01/08/2012 20:47:25

    Que bela massagem no ego hein Juca?-Abraço

  48. Flavio

    01/08/2012 20:31:18

    Putz, Gigantesco!Faltou animo pra ler!kkkkkkk

  49. Paulo César

    01/08/2012 20:26:16

    Infelizmente, essa "gente" é workaholic e, como dizia um antigo slogan do governo "eles são gente que faz !!!" e não desistem nunca, eles são um povo que divide a responsabilidade (como diz a propaganda ufanista do banco gritaú, para justificar a roubalheira nas obras da copa).

  50. Rafael Lemos

    01/08/2012 20:03:25

    Dupla sertaneja: Nem Li e Nem Lerey!

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso