Blog do Juca Kfouri

Grandes eventos desportivos espalham estádios-fantasma pelo mundo afora

Juca Kfouri

Por PAULO CURADO,

jornal PÚBLICO, de Lisboa.

Os recintos de Aveiro, Leiria e Algarve são dos maiores exemplos de desperdício de dinheiros públicos na construção de equipamentos desportivos.

O Mundial 2006, pelo contrário, é um exemplo a seguir.

Ainda não são conhecidos os números oficiais finais do investimento britânico nos Jogos de Londres, mas dificilmente se aproximarão dos 32 mil milhões de euros de Pequim 2008.

Uma soma astronómica para um evento que dura pouco mais de duas semanas.

Neste oceano financeiro, surgem mitigados os 381 milhões de euros despendidos no “Ninho de Pássaro”, o Estádio Olímpico que se transformou na bandeira do evento.

Hoje é uma atracção turística, mas com os seus 90 mil lugares desertos grande parte do ano, apesar dos nove milhões de euros de custos de manutenção.

É um dos “elefantes brancos” que os mega-eventos desportivos espalharam pelo mundo, com Portugal a ter um lugar de destaque.

São projectos muitas vezes efémeros, quase sempre megalómanos, ávidos sorvedouros das receitas dos contribuintes.

São estas as conclusões de um relatório do Instituto Dinamarquês de Estudos Desportivos (IDED), publicado recentemente, que alerta para o peso dos legados das grandes organizações desportivas, construídos sem racionalidade ou planos de sustentabilidade.

O Euro 2004 e parte da sua herança material, fardos atrofiantes para algumas autarquias, é visto como caso exemplar de desperdício de fundos.

O estudo estima que a organização nacional da prova da UEFA tenha implicado um investimento público na ordem dos mil milhões de euros, entre os valores assumidos por autarquias e Governo.

O dobro da verba despendida, em conjunto, pela Áustria e Suíça, no Euro 2008.

“Vários dos estádios construídos ou renovados constituíram uma herança problemática”, refere o documento, apontando os casos dos estádios de Aveiro, Leiria (Dr. Magalhães Pessoa) e Faro-Loulé (Algarve), que registam baixos índices de ocupação anual.

Um cenário desolador, mas perfeitamente previsível para este centro independente de investigação.

A falta de um plano racional e sustentável dos equipamentos a prazo, que poderia ter passado por uma diminuição da lotação, após o fim do Euro 2004, para reduzir os custos de manutenção e adaptar os recintos às realidades futebolísticas locais, explica as dificuldades actuais.

Os três estádios custaram aproximadamente 218 milhões de euros (e juntos disponibilizam 84 mil lugares), segundo números divulgados por uma auditoria do Tribunal de Contas, em 2005.

Montante sem IVA e que inclui o estacionamento e as acessibilidades. A factura mais pesada do trio foi paga pela Câmara de Leiria: 83,2 milhões de euros. Seguiram-se a de Aveiro, com 68,1 milhões, e as de Faro e Loulé, com 66,4.

“A experiência portuguesa é ilustrativa para desmontar o lema “se construirmos estádios os espectadores aparecerão”. Esta não é uma solução fiável. Alguns estádios foram postos à venda e a maioria regista fraquíssimos índices de assistência”, refere o estudo, em que participou o investigador da Universidade de Coimbra (UC) Francisco Pinheiro.

Mas os portugueses não estão isolados na forma irracional como avançaram para a construção de muitos dos equipamentos.

Numa lista que engloba Jogos Olímpicos de Verão e Inverno, Mundiais da FIFA, Europeus da UEFA, Taça das Nações Africanas, Jogos Pan-Africanos, Jogos Pan-Americanos, Jogos Asiáticos e Jogos da Commonwealth, num total de 65 estádios, em 20 países e seis continentes, o desperdício de verbas públicas é, quase sempre, transversal.

Do Japão, surge o caso do Estádio Olímpico de Nagano, uma memória pálida dos Jogos Olímpicos de Inverno de 1998.

Com uma capacidade de 30 mil lugares, custou 87 milhões de euros. Durante o ano de 2010, todos os espectadores somados ocupariam pouco mais de metade dos lugares.

Em Inglaterra, ainda a viverem a ressaca dos Jogos, os contribuintes olham com apreensão para este passado de esbanjamento, enquanto especulam sobre o destino do Estádio Olímpico, onde investiram 590 milhões de euros.

O seu futuro, que tem sofrido avanços e recuos nos últimos meses, continua incerto.

À partida, o projecto arquitectónico deixou aberta a possibilidade de adaptações, como a redução dos 80 mil lugares para 25 mil, através da remoção do anel superior.

Neste momento existem alguns clubes candidatos à utilização do recinto, destacando-se o West Ham.

Bom exemplo alemão

Apesar do cenário global negativo, o estudo do IDED também apresenta casos de sucesso.

O maior deles é à organização alemã do Mundial de 2006.

Aqui, a maioria dos estádios envolvidos na prova, construídos de raiz ou remodelados, registou um crescimento considerável da afluência de público, após o evento.

A explicação é simples: “A forte tradição que o futebol tem por estas paragens, associada à competitividade da Bundesliga, traduz-se num dos maiores índices médios de espectadores nos estádios a nível mundial.”

Um oásis num deserto de desperdícios.

“Este estudo pretende ser uma espécie de memorando com um elenco dos erros que ciclicamente são cometidos.

Em particular algo que raramente é feito, como perspectivar o futuro dos equipamentos construídos e promover a criação de um plano de actividades, pelo menos para a década seguinte”, sintetizou ao PÚBLICO Francisco Pinheiro.

“Acredito que, nas próximas décadas, os países que optarem por uma racionalidade do ponto de vista financeiro, dificilmente irão candidatar-se a receber mega-organizações destas”, prevê.

Apesar de tudo, não têm faltado candidatos endinheirados à organização dos grandes eventos.

A 2 de Dezembro de 2010, a FIFA atribuiu à Rússia a organização do Mundial de 2018 e ao Qatar a de 2022.

Para vencer a corrida, os dois países comprometeram-se a construir mais de 20 novos estádios.

“Nem a Rússia nem o Qatar têm uma infra-estrutura de equipamentos desportivos para uma prática satisfatória de futebol, conforme é exigido pela FIFA, nomeadamente no que se refere à capacidade dos estádios”, aponta o estudo.

Para obedecer aos regulamentos, os russos fixaram um orçamento oficial de três mil milhões de euros para a construção de estádios.

Já o Qatar (país com 1,8 milhões de habitantes) vai investir 2,4 mil milhões de euros.

  1. Jason Castro

    20/08/2012 17:02:09

    Pois é, caro Juca.Não entendi pq não explorou isso mais aprofundadamente na entrevista ao ministro Aldo. A questão do Parque Olímpico é um crime lesa pátria. Espero q tenha em breve outra oportunidade para perguntar a respeito.Abçs,Jason

  2. TATUAPE

    18/08/2012 20:03:22

    .José Henrique,.Itaquera foi ideia e pressão dos moradores do Pacaembu..O Kassab sabe disso. E como!.

  3. José Henrique

    18/08/2012 14:18:43

    Boa pergunta meu meio xará. Quem impediu o arrendamento do Pacaembu ao Corinthians?Você sabe né?

  4. Mauro

    17/08/2012 14:15:23

    Inveja... eu estou mais preoucupado em ver meu dinheiro gasto com algo inútil...

  5. souza pinto

    17/08/2012 09:02:01

    Robson e amigos,Por favor,entendo que os nossos debates são necessários para esclarecimentos.Nunca em minha vida,vejam como escrevo,(sou obrigado a dizer isto),procurei ofender alguém,quando o fiz,até por descuido,imediatamente me desculpei.Não tenho mágoas e não as carrego,por uma filosofia de vida.Quem sabe um dia,vamos nos conhecer pessoalmente,e tomar um chopinho juntos,aqui em Ribeirão Preto,o que fiz muito,para minha alegria,com um grande ídolo de voces,o Sócrates,de quem tenho uma saudade imensa,por suas posições e ideias.Por uma questão pessoal e de filosofia mesmo de vida,não admito,o que nunca admiti em minha vida,é a utilização de bem público fora dos limites a ele permitida.Um abraço fraternal a todos.

  6. souza pinto

    17/08/2012 06:48:31

    Zezao Marreta,Permita-me,suas afirmações não correspondem à verdade.A ditadura que voce fala,foi instaurada em 1964,com a revolução.Em 1960 o São Paulo inaugurou metade do Estádio(a construção começou em 1950),e foi concluido e inaugurado em 1970.Portanto,a ditadura que voce fala,foi instaurada em 1964,14 anos após o inicio das obras e 4 anos após a inauguração da metade do estádio.Não altere,por favor,os dados históricos,pelo menos em homenagem a nossa inteligência.Obrigado.

  7. souza pinto

    17/08/2012 06:34:04

    Rafael W,Meramente para complementar,pela atenção que voce merece.Construindo o estádio desta forma,haveria ainda a exploração do nome,estacionamentos,propagandas e principalmente camarotes.O Corinthians não DEVERIA NADA A NINGUEM.Pense bem.Construindo como está,o Corinthians terá ,pela importância de sua torcida,um pequeno estádio de 48.000 lugares(é pequeno).Por que não ter um estádio do tamanho do "camp Nou" do Barcelona,por exemplo,com capacidade para 100.000 pessoas?Pense mais ainda.Meu amigo,o Corinthians acabou caindo no "conto da copa",que lhe foi passado por politicos que voces terão que engolir(Kassab e Alkimim,entre outros),ou voce acredita nas boas intenções deles? A dívida contraida deverá ser paga em 30(trinta)anos.Imagine.Além do mais,de não ter a renda do estádio,terão que suportar um fundo administrando aquilo que dizem ser de sua propriedade.Pense em tudo,e verifique se vale a pena.Eu,meu amigo,tenho setenta anos,e passei minha juventude inteira lutando por ideais que sempre tive e mantenho.Aos 21 anos,em 1963,era presidente da Camara Municipal de Brodowski.Era vereador quando tivemos a revolução de 1964.Entenda,por favor,a razão da minha luta,que não pode ser limitada a uma paixão futebolistica,mas sim,à construção de um Brasil melhor,e mais justo,que creio ser possível.Um grande abraço.

  8. J.Andrade

    17/08/2012 06:16:55

    Esse é mais um artigo que temos da inviabilidade daqui organizar copa do mundo e olimpíada. Mas com o governo, judiciário e povo que somos, nada acontecerá. Virá a copa, a olimpíada, torceremos, haverá gestos píegas, choros convulsivos dos futuros medalhistas, com a bandeira brasileiras às costas e noticiários mostrando isso; e no tal entorno, droga rolando, assaltos a luz do dia; escolas públicas sem banheiros; trânsito caótico; hospitais lotados e sem condições de atendimento; e segue o Brasil, país da democracia relativizada que com sua "mistura de raças, povo acolhedor, amigo, etc." E a conta vem para nós, para alegria do Nuzman, Globo, Record, Edir Macedo, Teixeira, Havelange. Ah, não esqueçamos que nada ocorrerá para essa corrupção que já ocorre, pois as punições dependem do juridiquês onde o roubo,furto são distintos; assassinato é diferene de matar, e assim vamos nós. Não esqueçamos que o "mensalão" não existiu. O que esperar então?

  9. Henrique

    17/08/2012 00:15:35

    Um português argumentaria o exato oposto...

  10. Henrique

    17/08/2012 00:11:35

    Em Portugal escreve-se "mil milhões" ao invés de "bilhões" como no Brasil.

  11. Robson Valdechio

    16/08/2012 23:31:51

    Souza Pinto, provavelmente você é 5a0paulino, pela sua mágoa meio disfarçada.Antes desse ar professoral, procure saber das falcatruas na construção do estádio do seu time, feito pelo governo do estado e prefeitura, que eram capitanedos por conselheiros do spfc, apesar da torcida pífia...botaram até criança pra vender carnê em escola públca.O Corinthians vai pagar pelo seu estádio, como todas as milhares de empresas que pegam ampréstimos no BNDES - inclusive seu time - e os incentivos são investimentos que não tiram um centavo de ninguém.Pimenta no dos outros, amigo, é refresco.

  12. José Henrique

    16/08/2012 23:24:14

    Souza. Dinheiro do povo, que você deveria se preocupar, é a imunidade de imposto que o governo dá para certas igrejas, parceiras do seu time.:Essa isenção ao estádio, você sabe muito bem o que é, mas no entanto, repete como bom ouvinte, as falácias que despeitados vivem assoprando por aí.:Acontece, que falácia, não prospera mais. A informação hoje voa, graças a Deus.

  13. SILVIO 10

    16/08/2012 23:23:25

    Olá Juca. Infelizmente não é só aqui que ocorrem estes desmandos (especificamente em sua matéria c/ estruturas p/ eventos esportivos). Isto existe em todo lugar. Onde o homem tem muito poder, ele acaba se corrompendo. A ganância pelo dinheiro fala mais alto em seus pensamentos e acabamos vendo estes absurdos acontecendo por todos os países. Aqui já ocorreu c/ o Pam e vai acabar acontecendo c/ a Copa do Mundo e c/ as Olimpíadas. Rios de dinheiro (nosso é claro) serão gastos p/ receber estes eventos, e uma boa parte será desviada. Já está acontecendo. E a estrutura necessária (aeroportos, malha rodoviária dentro da cidade -mobilidade-, etc) levando c/ a barriga. Coisas que na realidade deveriam ser priorizadas há muito mais tempo, não só p/ estes eventos, mas principalmente p/ o desenvolvimento do nosso país. Mas aqui é Brasil.....será como aquelas operações tapa-buraco....p/ inglês ver. Abs

  14. Rafael W.

    16/08/2012 23:23:06

    Souza P.Sua visão, pra variar, é ressentida. Todos os times de futebol que construíram estádios tiveram subvensões, ajudas, benefícios, incentivos e etc - principalmente o spfc - e a arena Corinthiana reverterá incontáveis benefícios a uma comunidade ávida por empreendimentos desse porte. Pense nisso, e não se curve ao ódio clubístico.Um abraço.

  15. Vilson Crag

    16/08/2012 23:16:00

    Não há qualquer dúvida que, ao se considerar os fatos colocados, a competição deveria ser realizada apenas no estado de São Paulo. Trata-se do mais rico, do ponto de vista internacional é o mais reconhecido, onde se observa as melhores "performances" (perdoem o anglicismo) e onde, mesmo nos campenoatos de várzea e séries menos qualificadas (B, C, D e etc...) o nível entre os clubes é bem mais competitivo, e a presença de público aos jogos é bem melhor e constante do que as observadas nos demais estados. Sendo assim, quando comparados a São Paulo, Amazonas, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Rio Grende do Norte, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Pará ou qualquer outro estado, apresentariam apenas condições não mais que insignificantes...

  16. Carlos Brazil

    16/08/2012 23:10:35

    Caro Juca, imagine os quatro estádios construídos em Angola para a Copa Africana de Nações, CAN 2010. Luanda, que possuía dois estádios acanhados para poucos mil assistentes (mas que raramente reuniam mil torcedores), ganhou uma arena para 60 mil pessoas. E como você (talvez nem tanto), os angolanos são mais afeitos ao Básquete, como pronunciam. Os burocratas da Fifa não são pessoas plausíveis, isso sem falar sobre as draconianas condições impostas para que só a federação ganhe dinheiro no evento, nos arredores, nos aeroportos... Os padrões estabelecidos não são adequados para eventos tão efêmeros como uma Copa do Mundo. Creio que uma reforma caprichada no Morumbi (não a de várias centenas de milhões proposta pela Fifa) produziria um estádio muito adequado ao torneio aqui em São Paulo. Mas quem tem a caneta são os "donos do futebol", não é???!!!

  17. emerson louback

    16/08/2012 23:06:50

    mil milhoes...quer dizer....bilhoes....3 mil milhoes....quer dizer.... 3 bilhoes2,4 mil milhoes....quer dizer 2,4 bilhoes

  18. melquiades

    16/08/2012 23:03:01

    Devemos analisar muito bem, pois Natal, Cuiaba, Manaus e Brasília poderiam virar elefantes brancos na primeira análise, porém a de menor região metropolitana tem quase 1 milhão de habitantes. Muitos dos estãdios dessas cidades já estão aos pedaços. Lembram da tragédia da Fonte Nova devido estar aos pedaçõe? É só fazer Arenas de multiplos usos. E são cidades em grande potenciais de crescimento.

  19. Sem Noção

    16/08/2012 23:01:38

    Vc conhece itaquera? Vc já esteve lá? Vai me dizer que existe alguma estrutura...Manda a Madonna fazer um show em itaquera, e diga o que ela vai responder..

  20. diego

    16/08/2012 23:00:42

    só rindo mesmo... o rapaz falou da média de público do abc e do américa, entao fui procurar. juntos, os dois times nao levam mais do que sete mil torcedores por jogo... o pior cidadao é aquele que nao quer ver rsrsrs

  21. Valter

    16/08/2012 22:54:08

    Juca,3 milhões de Euros? Seriam 3 bilhões de euros né? Abs

  22. melquiades

    16/08/2012 22:52:18

    Não devemos esquecer de que a Alemanha além de ser também um país do futebol, sediou o Mundial de 1974 e as olímpiadas de 72, portanto já tinha infra estrutura e experiência.

  23. Weiler - GO

    16/08/2012 22:45:49

    Uma coisa tem que ficar marcada, registrada, guardada, pra sempre ser lembrada, tanto a copa de 2.014 quanto as olimpiadas de 2.016 foram tramadas, orquestradas sob o dominio do Sr. Lulla, ex-presidente que andava pra baixo e pra cima com o Sr. Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF. Esse Sr. Lulla deu pulinhos de alegria pela Rio 2.016 e não terá a menor vergonha de jogar a culpa do fracasso de 2.014 ou de 2.016 sobre sua cria, a presidenta Dilma, afirmará na maior cara de pau que de nada sabia.

  24. Henrique

    16/08/2012 22:39:46

    Juca, a questão é bem simples: com construções racionais, de onde a corrupção se alimentará? O caso de São Paulo é típico. Já havia o Morumbi, a nova Arena Palestra e o Pacaembu. Pra que construir mais um estádio? Apenas por aspectos políticos e pra que os corruptos possam faturar. Agora, o Pacaembu, um estádio extremamente bem localizado, tombado pelo Condephat e usado pelo Corinthians como sua casa há anos, ficará ocioso. A solução, talvez, esteja no arrendamento pelo Santos, porém mostra a total falta de planejamento e o jogo de interesses que domina a organização das grandes competições em nível mundial.

  25. Vilson Crag

    16/08/2012 22:36:18

    Prezado! cai na real. Erro foi escolher o Brasil (ou Brazil)! todos os locais citados devem melhorar suas posiçoes no IDEB, IDH e outros índices. isso se você sabe do que se trata a questão, obviamente...

  26. Renato Khair

    16/08/2012 22:33:58

    A Alemanha é uma exceção e exemplo a ser seguido.O Brasil irá repetir os erros da África do Sul, Grécia, China e de outros países que sediaram Copa do Mundo ou Olimpíadas.Construir 'elefantes brancos' é 1 enorme burrice e desperdício de dinheiro público. Lamentável.

  27. souza pinto

    16/08/2012 22:32:59

    Rafael W,Obrigado pela resposta,mas,creia,não é inveja,eu meramente ,entendo que o Corinthians é muito grande ,e poderia às suas expensas,sem depender de ninguém,sem estar sujeito à estas criticas,ter construido o seu estádio.Já escrevi a respeito para o Jose Henrique.Um exemplo:construir um estádio para 70.000 pessoas,com o lançamento de 20.000 cativas ao preço de 50.000 reais cada uma(venderia como pastel na feira),no prazo de 50 meses,arrecadando,assim 1 bilhão de reais,sem precisar de favores e curvar a espinha para politicos.Pense nisto meu amigo.Sua instituição é muito grande e precisa ser respeitada,primeiramente,por voces corinthianos.um abraço.

  28. Lionel

    16/08/2012 22:17:42

    Poisé, aproveitaram que o povo brasileiro é idiota e deram uma rasteira no dinheiro público para contruir estádio particular. Espero que você não morra por falta de hospitais.

  29. Robson Valdechio

    16/08/2012 22:07:55

    Que isso procede, não tem dúvida!No caso do Brasil, creio que os estádios que mais gerarão divisas serão a arena Corinthians e o Maracanã (desde que não faça mais reformas como a gente troca de camisa),principalmente o estádio Corinthiano movimentará toda uma região do tamanho de uma cidade média brasileira que está ávida por oportunidades, e essa é a maior delas.A inveja dos outros times é consequente ao sucesso desse grande empreendimeto.

  30. Robson Valdechio

    16/08/2012 22:03:56

    Também acho, sempre pensamos isso do nosso rival da vila Sonia

  31. evandro luiz dell aringa

    16/08/2012 22:02:48

    juca estou preucupado com o time do sáo paulo o time precisa de reformulasaoagora fora juvenal o mais rapido valeu 16/08/2012 22;03 pm

  32. evandro luiz dell aringa

    16/08/2012 21:58:24

    o sáo paulo esta présti de a nuciar um novo patrocinador da camisa ja era hora do tricolor ter um patrocinador fala ai juca sobre isso 16/08/2012 ás 22;01

  33. Pedro Ítalo

    16/08/2012 21:49:09

    O pessoal fica aí falando de Itaquerão, Maraca, Mineirão... E os estádios do norte e do centro-oeste do Brasil? Grande desperdício de verba! Os estádios de 2014 deveriam ser os das regiões sul, sudeste e nordeste -onde há futebol. O pior está nas exigências absurdas em relação a estrutura dos estádios feitas pela senhora FIFA. Não bastaria adaptar os nossos grandes estádios??? Trocar gramado, iluminação... Que ridículo, tanta verba jogada no lixo, mundo a fora, e tanta gente na miséria absoluta. Mundo perdido.

  34. É nois do bando

    16/08/2012 21:44:18

    Daqui a uns 5 anos teremos reportagens demonstrando como os estádios de Manaus, Cuiabá e Brasília se transformaram em elefantes brancos. Mas quando as cidades foram escolhidas, todos sabiam disso e mesmo assim escolheram.Belém tem muita tradição em futebol, mas perdeu para o tradicionalíssimo futebol do Amazonas (?).Goiânia mantém pelo menos um time na série A há quase vinte anos e também times na Série B, mas vão colocar a Copa em Cuiabá e Brasília no Centro-Oeste. Alguém conhece algum time de Mato Grosso? Brasília tem o todo-poderoso Brasiliense do Estevão que mal consegue se manter na Série C.Mas Brasília é capital federal e MT tem o Blairo Maggi.Então tá tudo certo...Brasil...sil...sil

  35. jose joao

    16/08/2012 21:39:06

    e da "SENHORA FIFA" ninguem fala nada,com essas exigengias exgeradas?

  36. 16/08/2012 21:38:43

    Até deve ter havido estudo para escolher as cidades-sede da Copa no Brasil, mas a política pesa muito nessa hora. Pelo meu entender, só poderiam ser construídos ou reformados estádios de cidades que possuíssem equipes na 1ª ou 2ª divisão nacionais e que houvesse algum clube dessas divisões (ou clubes) capaz(es) de gerir o local. Portanto, estariam fora dessa situação, de cara: Brasília, Cuiabá e Manaus. Em Recife, não sei se Sport, Náutico ou Santa Cruz iriam se interessar, pois cada um já tem estádio. Portanto, após tudo isso, é lógico concluir que teremos alguns elefantes brancos após a Copa.

  37. altamir

    16/08/2012 21:12:43

    Como fazer uma copa no Brasil sem ter como uma das sedes Manaus; local de turismo de alto padrão? Acho que enxergar construção de Estádio para a Copa como elefante-branco porque não existiriam times locais para mantê-lo é equivocada! Que sejam demolidos depois! Mas que sirvam o propósito de promover a vinda de turistas para suas cidades!

  38. Paulo Maciel

    16/08/2012 21:08:55

    Essa pergunta tem duas letras como resposta: PT. Ou 4, se quiser um culpado: Mulla. Quer ser amigo do rei-sapo-gordo? Eu te consigo uma sede da Copa, para poder invesPTir na cidade...

  39. Paulo Maciel

    16/08/2012 21:05:03

    50 mil pessoas pagando pouco não sustentam um estádio que custa muito. Ou algum (monte) de frequentadores de América e ABC vai deixar de pagar $10 para pagar $30 ou $50 só por que o estádio é bacana?Vivemos no país do faz-de-contas! Poucos clubes são sustentáveis e poucas torcidas geram renda. É só ver o caso do Flamengo, que apesar de maior torcida, não consegue pagar quem contrata.

  40. Antônio Carlos

    16/08/2012 20:58:15

    "Mil milhões de euros" ... (não seria mais fácil escrever "bilhões"?). É coisa de português mesmo!

  41. j.betto

    16/08/2012 20:57:49

    Talvez no clássico local, leve-se 50.000 torcedores em Natal, e deve-se respeitar os torcedores desta importante cidade. Mas há de convir, e estamos acompanhando a Série B, e não é essa a realidade do total de público.Mas é essa paixão de torcedor, que nos faz perder o poder de fiscalizar o desperdício de dinheiro público. Todos queremos puxar a sardinha para a nossa brasa. E os espertos dos dirigentes e políticos aproveitam-se e disso e fazem uma farra com dinheiro público.

  42. Guilherme

    16/08/2012 20:55:55

    No Recife, nenhum clube também pretendia, mas parece que um deles já mudou de idéia. Isso é jogo político, quando estiver pronto, duvido que não apareça alguém pra "ficar" com o estádio.

  43. Zezao Marreta

    16/08/2012 20:55:26

    MILAGRE !!! MILAGRE!!! Alguem ahi sabe como os vinte e quatro (oooooops) torcedores do sampaulo da decada de 60 (torcidinha menor do que a da Lusa, na epoca) puderam proporcionar rendas para construir o panetone? A resposta racional, dada pela 2a. Lei da Termodinamica, baseada em fatos, eh que o Estado de Sao Paulo necessitava de um estadio a altura de sua grandeza (era responsavel por 65% do PIB brasileiro) e ja havia financiado o maracana e outros estadios para estados com orcamentos deficitarios. Assim a ditadura construiu com o $$ dos paulistas um estadio para o Estado de Sao Paulo, apossado pelo time cor de rosa. Nao existe outra explicacao racional - aquela do milagre nem o "bishhpu" mac edo acredita...

  44. Guilherme

    16/08/2012 20:52:36

    O Tertuliano tem razão, no Nordeste eles costumam encher estádios, mais fácil o Engenhão virar logo um mamute do que o estádio de Natal virar elefante branco.

  45. Guilherme

    16/08/2012 20:49:37

    O problema é que vários entram nesse oba-oba, as pessoas pensam apenas no evento, esquecem do que ele deixa após ele passar, seja para o "bem" ou para o "mal".

  46. Guilherme

    16/08/2012 20:48:06

    E olha que o futebol daqui é disputado, imagina senão fosse... Também com um nível de disputa tão ruim que está aí, os estádios ficarão cada vez mais as moscas.

  47. Guilherme

    16/08/2012 20:46:30

    Sim, em Portugal eles devem escrever de outra maneira.

  48. Paulo

    16/08/2012 20:36:13

    Voce não é tao imparcial pelo que escreveu acima.

  49. Telesforo Caceres

    16/08/2012 20:34:13

    Juca, aqui vai ser diferente! Acredite!! Os BILHÕES gastos serão antes das construções. Vide o projeto corintiano, o de Brasilia e pelo pais afora... Viva a Republica Federativa do Brasil e seus Bravos Cidadãos que fazem gestão do esporte e do dinheiro nele investido!

  50. Bruno

    16/08/2012 20:33:33

    Quer dizer que eventos esportivos só podem ficar restritos a lugares já tradicionais ????Assim não precisa haver escolha das sedes.... Só uns 8 países e umas 10 cidades do mundo terão retorno certo...Rídiculo... tem que expandir para novos lugares sim... e cobrar projetos e façam o bom uso... Imagina... Uma copa na Alemanha a cada 12 anos... q chatice...

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso