Blog do Juca Kfouri

Bola ou búrica

Juca Kfouri

Para o Zé Santos

Por Luiz Guilherme Piva*

1. Arcanjo

Baixo, magro mas troncudo, perna grossa.

Camisa esfarrapada, número 5 de fita isolante.

Plantava-se na frente da área e dali não saía.

Recebia do goleiro ou do beque, passava pro lateral, ou voltava, ou bicava pra frente.

De um lado pro outro como um escudo imaterial protegendo seu gol.

Às vezes pra trás. Para além da intermediária, nunca.

Canela de ferro, sola de lixa, cabelo de estopa, pingando óleo, carcaça rangendo em meio à poeira, à chuva, à fumaça.

Chegou a se jogar de cabeça numa bola à meia altura que o atacante ia fuzilar. Rachou a testa.

Sangrou uma graxa espessa. Mas salvou o gol.

Fora dali não tinha nada. Morava e comia de favor numa oficina.

Talvez pensasse ser uma bênção ter o que guardar.

2. Súcubo

Lateral-esquerdo. Quando viu a bandeirinha de saia-short, estremeceu.

Ficou por ali, não apoiou o ataque, descuidou da marcação, demorava a bater lateral.

Acabou substituído. Sentou-se no banco e não tirava o olho.

Ela viu. Fez meneios loiros. Olhares azuis.

No dia seguinte, foi atrás, declarou-se.

Ela cedeu, vararam as noites, ele perdia a hora, seguia-a nos jogos em que ela atuava, não treinava, foi afastado, largou a noiva, emagreceu – até que tomou coragem ou algum chá ou foi benzedeira.

Largou-a.

Treinou, dormiu, renoivou, encorpou, de novo titular, agora capitão, não a viu mais.

Mas, na decisão, lá estava ela, com seus amarelos e azuis.

No segundo tempo, bandeirando o ataque adversário, zero a zero, o empate era dele, último lance, bola nas costas, ele pára porque o nove estava adiantado, impedido – mas ela nada.

Não ergue a bandeirinha.

O nove domina (ele não corre, fica olhando pra ela), entra aos átimos na área (ela segue a linha), cutuca (ele perplexo), o goleiro cai aos fotogramas (ela observa a bola entrando), é o gol do título (ela começa a correr para o meio-campo), confetes, papéis, bandeiras, estouros – ele se aproxima tonto, segura-a pelos braços, sacode, esbofeteia, soca, ela impassível, sorrisinho fechado, olhos de safira, polícia, jornalistas, flashes, tumulto, ele não ouve nada, só bate.

Depois, o resto.

Ela sumiu no mundo junto com o nove artilheiro.

Ele foi expulso, detido, perdeu a vaga no time, o dinheiro, a noiva e o senso.

Vaga por aí.

Bebe da chuva.

Delira no sol.

Grita de noite.

E algumas tardes, quando venta, consegue vê-la, bandeirinha em punho, de saia-short, na rua, no meio do redemoinho

*Luiz Guilherme Piva no cree en brujas.

  1. José

    16/06/2012 09:34:20

    Piva, que ótimos textos. Como já perguntaram abaixo, quando sai o livro?

  2. Nise

    16/06/2012 09:32:36

    Linda resposta para um maravilhoso texto.

  3. José

    16/06/2012 09:32:01

    Os textos são ótimos, o que chateia é esse tipo de comentário

  4. Adriano Aquino

    16/06/2012 04:24:10

    Piva, tua pena é fabulosa! Tratando do nobre esporte bretão, caminhas na mesma senda de Nelson Rodrigues, Millôr Fernandes e Luis Fernando Veríssimo. Parabéns!

  5. Sergio

    15/06/2012 18:36:41

    Personagens "perdedores", tendo apenas as lembranças a guardar. A sorte não nasceu para todos...por que? para esses personagens do Piva.."um pouco mais de ouro pela manhã, um pouco mais de púrpura ao entardecer...e a paisagem seria a mesma em cada lado beirando a estrada da vida...". Não fossem gols salvados e mulheres belas que se tornam eternas. Personagens que vivem na eternidade das lembranças, no fundo, somos todos nós.

  6. Ricardo P.

    15/06/2012 17:41:43

    Ótimo. Futebol também serve para se pensar em algo, exercitando a mente. A começar pelo título: bola ou búrica. Búrica é caçapa. Com isto se pode inferir: bola (trabalho/obrigação) ou búrica (prazer/sexo). E não é a toa que o primeiro é arcanjo (fiel defensor de interesses superiores) e o segundo é um súcumbus (demônio do sexo). Independente de tudo são duas entidades menores, servindo a um joguete maior e por isso mesmo fracassados. E a vida imita a arte!

  7. Luis Felipe

    15/06/2012 17:41:35

    Sábio é pensar que a intolerância está apenas no futebol!!

  8. souza pinto

    15/06/2012 17:32:35

    Não sei as origens do Piva,mas apostaria que ele nasceu ou viveu no interior,onde aprendeu a curtir histórias vivas,de tipos inesquecíveis.Em minha pequena Brodowski,onde tive a felicidade de nascer e viver grande parte da minha vida,assisti e participei de diversos fatos ,todos marcantes.Um deles,relato: Numa discussão política um dos participantes diz para o outro " voce é um beócio",aquele que ouviu,dirigiu-se rapidamente para a sua casa,e,em seguiva,voltou e disse" voce me ofendeu",peça desculpas.Com certeza,foi consultar um dicionário.Não podem confirmar,ambos já morreram.

  9. Marcelo

    15/06/2012 17:30:49

    Uai!!! É só não ler!

  10. Marcos Porfirio

    15/06/2012 17:18:11

    Nem acredito. Morei dos 6 aos 13 anos no Rio e sempre joguei Búlica (com l), mas olhando no dicionário vi que o certo é búrica (com r). Me desculpem os dicionários, mas joguei muito mais búlica que o senhor Aurélio. Então búlica é. Abraço, e dá-lhe Mengo.

  11. ivan martins de oliveira

    15/06/2012 16:49:54

    cade minha resposta de maior torcida?

  12. Rodrigo Pankamo

    15/06/2012 16:35:22

    Juca esses textinhos que vc publica no seu blog são chatos pra caramba. Vc é um excelente jornalista mas pare de perder tempo com essas bobagens, poste mais noticias de clubes e análises. Não aguento mais ler textos em forma de versos no seu blog, isso chateia bastante,Abraço

  13. Turco

    15/06/2012 16:29:24

    Depois o tal do MMA que não é esporte, bonito é o racismo e a violência que impregnam seu belo esporte bretão né Juca.

  14. Marco Aurélio Hilário

    15/06/2012 16:25:37

    Mais um golaço. Na forquilha.

  15. Marcelo

    15/06/2012 16:15:02

    Maneiro !Parabéns, Piva!

  16. Marcelo

    15/06/2012 15:46:55

    Nunca li nada tão emocionante ... por favor, tenha o hábito de publicá-los sempre ! Esse blog vai bombar com tanta emoção em tão poucas linhas.

  17. Luciana

    15/06/2012 15:42:17

    Bom, com todo o respeito à opinião da maioria, acho os textos do Piva meio dramáticos demais, muito cheios de firulas gramaticais e até um tanto pretensiosos. Gosto é gosto, tem gente que acha lindo, eu acho chato!Que seria de amarelo se todos amassem só o azul? rs

  18. Rodrigo

    15/06/2012 15:34:07

    O livro caro Piva, o livro...Estou esperando....

  19. Edson Santos

    15/06/2012 15:18:32

    Muito lindo, emocionante, comovente, estou em prantos...

  20. Pablo Sanchez

    15/06/2012 14:40:37

    Essa cronica deve ter ter sido basada em fatos reais ocorridos no Rio de Janeiro em meados de 2012 com um jogador dentuço de um time rubro negro.Acertei?

  21. Vagner Luis

    15/06/2012 14:26:36

    Roteiro de filme, muito bom texto.

  22. Guilherme Lorente

    15/06/2012 14:19:46

    Demais!Lindos textos...

  23. Franco Feitosa Palestrino

    15/06/2012 14:16:48

    Delícia de texto! Fiquei ávido pelo desfecho! Sensacional!

  24. Eduardo Alberto J. Amaral

    15/06/2012 14:14:34

    Juca,Como sempre os textos do Guilherme Piva são interessantes, nos tomam a atenção e uma certa expectativa do início ao fim.Não sei se interpreto corretamente, só sei que no futebol, é quase que predominante uma diferenciação entre atletas. Existem aqueles que, mesmo limitados se doam totalmente, ou vivem para o futebol, num verdadeiro sacerdócio, e outros que independentemente do talento, se utilizam do futebol para curtir a vida. O aspecto mais dramático é que a maioria dos craques incorporam o Súcubo...abs

  25. ARARA

    15/06/2012 14:03:59

    Digno dos autores do seculo XIX, como Edgar Alan Poe, Robert Louis Stevenson, Sir Arthur Ignatius Conan Doyle, H.G Wells, escritores do fantástico, do imaginário e da ficção. Gostei!

  26. Guilherme

    15/06/2012 13:41:46

    Esse Luiz Guilherme Piva é no mínimo gênio! O que me diz Juca?

  27. Sérgio

    15/06/2012 13:41:45

    Fantástico!

  28. Januário S. Fontes

    15/06/2012 13:31:51

    Muito bom!

  29. Rafael W.

    15/06/2012 12:59:41

    Putz, ao contrário dos pentelhos sem o que fazer de plantão, detesto sugerir alterações ou apontar erros no texto dos outros, mas essa não resisti; não seria búlica (buraco da bolinha de gude) no contexto do texto? Independente disso. Legal o texto. Meio ao léu, mas legal!Vai Corinthians!

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso